Vocacional

São Pedro Julião Eymard perguntava àquelas que se sentiam atraídas à Vocação Eucarística: “Quereis colocar-vos neste genuflexório e aí arder como o círio que está diante de vós? Sim! Então entrai. Quereis ser serva? Então entrai. Vindes somente para isto: servir à Pessoa do Mestre.”

Vinde adoremos II

A jovem que entra em contato conosco, atraída por nossa Vocação, nosso estilo de vida, nosso Carisma e Missão, é acompanhada inicialmente por correspondência e/ou visitas ao nosso Convento. Persistindo o seu desejo de conhecer melhor a nossa vida, ela é convidada a um tempo de EXPERIÊNCIA na Comunidade.

Tendo ela e a Congregação percebido os sinais de sua Vocação Religiosa Contemplativa Adoradora, ela poderá ser admitida ao ASPIRANTADO, quando a jovem é introduzida gradualmente nos exercícios da Comunidade. Manifestando o desejo de continuar essa caminhada, a Aspirante faz o seu pedido para ingressar no POSTULANTADO. A Postulante com a veste que lhe é própria é iniciada nos exercícios do Noviciado. Durante o tempo do Postulantado ser-lhe-á dada a conhecer a finalidade da Congregação.

Perseverando em seu desejo de Consagração, a Postulante pede a sua admissão ao NOVICIADO, que se inicia com a recepção do Hábito Religioso. Através da leitura e meditação assídua da Palavra de Deus e das Constituições da Congregação e mediante a devida formação recebida, a Noviça se prepara na oração, no silêncio, na reflexão, na escuta para os seus Primeiros Votos Religiosos.

Decorrido o tempo do Noviciado e estando a Noviça firme em sua Vocação, ela pede a sua admissão à PROFISSÃO TEMPORÁRIA, no desejo de ser “uma hóstia pura e santa”, um holocausto mais perfeito à glória de Deus. Durante o Juniorato é completada a formação religiosa e adoradora das neo-professas.

É chegado enfim o momento do SIM definitivo, para aquela em cujo coração continua a ressoar suave e firme a Voz do Mestre, ansioso por tê-la como Sua Esposa Eucarística. A eleita emite então a sua PROFISSÃO PERPÉTUA, “dedicando-se total e livremente ao Serviço perpétuo da Adoração de Jesus Cristo nosso Rei e nosso Deus, verdadeira, real e substancialmente Presente no Santíssimo Sacramento do altar”.

Como o verdadeiro amor não olha para o que dá, mas para o que merece o Bem-Amado”, como um coroamento dessa história de amor eucarístico, a partir de dois anos da Profissão Perpétua, cada Irmã pode pedir a sua admissão ao VOTO EUCARÍSTICO, que é um 4º Voto, específico da Congregação. Se em virtude dos Votos de Castidade, Pobreza e Obediência, somos Consagradas, o Voto Eucarístico no-los faz praticar no espírito próprio de nossa Vocação de Servas do Santíssimo Sacramento da Adoração Perpétua

MENSAGEM FINAL

“Jamais se esqueçam de que uma verdadeira serva de Nosso Senhor deve estar sempre e exclusivamente devotada ao Serviço do Seu Bom Mestre, servi-LO como O serviu a SSma. Virgem, feliz Serva do Senhor, pela pureza de vida, humildade de amor e alegria duma dedicação pura e completa.” (Constituições nº 39)

 

Sugestões para Leitura

FLORESDAEUCARISTIA

Flores da Eucaristia

reúne reflexões de São Pedro Julião Eymard

para Adoração diária ao Santíssimo Sacramento

Uma meditação para cada dia do ano.

 

ADIVINAEUCARISTIA

A Divina Eucaristia,

coleção de 5 volumes, reúne alguns dos escritos e sermões

de São Pedro Julião Eymard, onde o leitor encontrará meditações e temas de adoração sobre a Divina Eucaristia.

O primeiro volume trata da Presença Real e Substancial de Jesus na Eucaristia.

Santo Eymard chega a afirmar: “Feliz aquele que sabe encontrar Jesus na Eucaristia

e na Eucaristia todas as coisas!”

No 2º volume ele fala sobre a Comunhão Sacramental. É um verdadeiro processo de educação, diz o Santo, que Jesus realiza em nossa alma e em nosso coração. Eleva a alma a uma alta contemplação e identificação com Ele. E é tal a felicidade e plenitude de quem O recebe com boas disposições, que São Pedro Julião Eymard tendo tudo isto experimentado, afirma extasiado: “Dai-me uma Hóstia e de nada mais preciso!” – Depois da Comunhão o homem se torna mais forte e pode exclamar em toda a verdade, conforme a expressão de Santo Eymard: “Quando comungo somos dois, Jesus e eu, e o fardo dividido torna-se leve.”

No 3º volume encontramos alguns retiros pregados por São Pedro Julião Eymard. Ele como que nos desvenda a Vida Mística de Jesus na Eucaristia. Ensina-nos a meditar naquelas virtudes que ele nos convida a praticar, cujos exemplos, Ele, Jesus, nos dá neste Seu estado Sacramental. É lindo demais! Mas é possível…

No 4º volume podemos perceber e saborear a influência que a Eucaristia exerce na vida de cada cristão, de cada família. Jesus Hóstia quer se comunicar a nós, é por isso que São Pedro Julião nos revela a sua experiência, desejando que também nós o experimentemos. Ei-lo a afirmar: “Jesus, da Hóstia me vê, Ele me ama, Ele pensa em mim, Ele me guia.” E assim nossa vida se torna um convívio com Jesus Eucaristia.

O 5º volume é mais especialmente para a Agregação do SSmo. Sacramento, para os adoradores. Santo Eymard deseja congregar todos os homens aos pés do Senhor Jesus, nosso Rei e Senhor! “Toda a terra Vos adore, ó meu Deus! Todas as raças, todos os povos, todas as Nações!” – “Um século prospera ou decresce em razão do culto que tributa à Divina Eucaristia.” E o Santo continua afirmando: “Quando Jesus Eucaristia estiver à frente das Sociedades, e todos O seguirem, então haverá paz. Toda a humanidade receberá as influências arrebatadoras, benfazejas, pacíficas, luminosas do Coração Eucarístico de Jesus, que sem cessar palpita de Amor por todos nós!” Descobriremos, então, esse Tesouro que é Jesus na Eucaristia e repetiremos com São Pedro Julião Eymard: “A Eucaristia é o meu Céu na terra!”

 

 

Se você está interessado em adquirir esses livros

pode entrar em contato com:

Livraria Loyola: www.livrarialoyola.com.br

Palavra e Prece: atendimento@lojapalavraeprece.com.br

Missão Sede Santos:  vendas@sedesantos.com.br 

Retiro dos Zeladores da Guarda de Honra

Retiro dos Zeladores 009

NO DIA 17 DE AGOSTO, DIA EM QUE CELEBRAMOS (AQUI NO BRASIL) A ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA AOS CÉUS, ACONTECEU O RETIRO DOS ZELADORES DA GUARDA DE HONRA DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO DA CAPELA DAS IRMÃS SACRAMENTINAS.

FOI UM DIA DE MUITA ORAÇÃO E FORMAÇÃO ESPIRITUAL.

O ENCONTRO FOI REALIZADO NO SALÃO DA GUARDA DE HONRA, NO CONVENTO DAS IRMÃS SACRAMENTINAS.

CONTAMOS COM A PRESENÇA DE DOM ANTONIO AFONSO DE MIRANDA, BISPO EMÉRITO DE TAUBATÉ. QUE FALOU SOBRE A FÉ NA PRESENÇA REAL DE JESUS E NO DEVER QUE OS ZELADORES TÊM DE ENSINAR AOS SEUS ZELADOS A ESTAREM ATENTOS A JESUS EUCARISTICO. ENSINÁ-LOS A FAZER A ADORAÇÃO E A FALAR COM JESUS SACRAMENTADO SOBRE SEUS PROBLEMAS.

EM UM SEGUNDO MOMENTO FALOU SOBRE A CONFISSÃO, SOBRE A NOSSA SINCERIDADE E CORAGEM DE NOS CONFESSARMOS BEM. CONFESSARMOS NOSSOS PRÓPRIOS PECADOS E NÃO OS DOS OUTROS. FALOU DA NECESSIDADE DE NOS ARREPENDERMOS E DA VONTADE DE NOS CORRIGIRMOS.

CLÁUDIA MARIA – DA COMUNIDADE SÃO CARLOS BORROMEU – S. PAULO – DEU UM LINDO TESTEMUNHO SOBRE A FÉ NA EUCARISTIA.

PADRE MARCELO REIS SCJ, REITOR DO CONVENTINHO – TAMBÉM ESTEVE PRESENTE E FALOU SOBRE A NECESSIDADE DE ACREDITARMOS REALMENTE QUE DEUS ESTÁ PRESENTE NA EUCARISTIA. FRISOU QUE OS ZELADORES FAZEM POR AMOR SEU TRABALHO. FALOU TAMBÉM DA NECESSIDADE DE SE FAZER UM PROJETO DE VIDA ESPIRITUAL PARA SE APROFUNDAR NA VIDA ESPIRITUAL.

DA NECESSIDADE DE CRIAR VÍNCULOS COM OS ZELADOS, CONVERSAR MAIS COM ELES E DAR TESTEMUNHO DE NOSSA VIDA.

PADRE MATHEUS – REITOR DO SEMINÁRIO SANTO ANTONIO (FILOSOFIA) – FALOU DA RESPONSABILIDADE E DA ALEGRIA QUE DEVEM MARCAR OS ZELADORES. E DA NECESSIDADE DE TRABALHAR NA VINHA DO SENHOR COM AMOR E MUITA FÉ. OS ZELADORES DEVEM DAR SUA VIDA PELA CAUSA E SE COMPROMETER TOTALMENTE POR AQUELE QUE NOS AMOU PRIMEIRO. DEVEM SER FIÉIS FREQUENTADORES DO SANTUÁRIO DA ADORAÇÃO PERPÉTUA, CUMPRIR BEM SEU DEVER DE ZELADORES E ACIMA DE TUDO REZAR PELOS SEUS ZELADOS.

HOUVE NOS INTERVALOS MOMENTOS DE MEDITAÇÃO SILENCIOSA E MOMENTOS DE SE COLOCAR TESTEMUNHOS EM COMUM.

OS ZELADORES FIZERAM TAMBÉM UM MOMENTO MARIANO, MEDITANDO A ORAÇÃO DO TERÇO EM PROCISSÃO COM A IMAGEM DE NOSSA SENHORA NO QUINTAL DE NOSSO CONVENTO.

O ENCONTRO CONTOU TAMBÉM COM VÁRIAS PESSOAS QUE AJUDARAM NO BOM DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES.

O ENCONTRO ENCERROU-SE COM A SANTA MISSA DAS 17 HORAS CELEBRADA PELO PADRE RICARDO CASSIANO – PÁROCO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BOSCO.

A TODOS O NOSSO SINCERO AGRADECIMENTO.

sERVAS DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO DA ADORAÇÃO PERPÉTUA

IRMÃS SACRAMENTINAS

 

Retiro dos Zeladores 011 Retiro dos Zeladores 012 Retiro dos Zeladores 013 Retiro dos Zeladores 014 Retiro dos Zeladores 015 Retiro dos Zeladores 016 Retiro dos Zeladores 017 Retiro dos Zeladores 018 Retiro dos Zeladores 019 Retiro dos Zeladores 020 Retiro dos Zeladores 021 Retiro dos Zeladores 022 Retiro dos Zeladores 023 Retiro dos Zeladores 024 Retiro dos Zeladores 025 Retiro dos Zeladores 026 Retiro dos Zeladores 027 Retiro dos Zeladores 028 Retiro dos Zeladores 029 Retiro dos Zeladores 030 Retiro dos Zeladores 031 Retiro dos Zeladores 032 Retiro dos Zeladores 033 Retiro dos Zeladores 034 Retiro dos Zeladores 035 Retiro dos Zeladores 036 Retiro dos Zeladores 037 Retiro dos Zeladores 039 Retiro dos Zeladores 040 Retiro dos Zeladores 041 Retiro dos Zeladores 042 Retiro dos Zeladores 043 Retiro dos Zeladores 044 Retiro dos Zeladores 045 Retiro dos Zeladores 046 Retiro dos Zeladores 047 Retiro dos Zeladores 048 Retiro dos Zeladores 049 Retiro dos Zeladores 050 Retiro dos Zeladores 051 Retiro dos Zeladores 052 Retiro dos Zeladores 053 Retiro dos Zeladores 054 Retiro dos Zeladores 055 Retiro dos Zeladores 056 Retiro dos Zeladores 057 Retiro dos Zeladores 058 Retiro dos Zeladores 059 Retiro dos Zeladores 060 Retiro dos Zeladores 061 Retiro dos Zeladores 062 Retiro dos Zeladores 063 Retiro dos Zeladores 064 Retiro dos Zeladores 066 Retiro dos Zeladores 067 Retiro dos Zeladores 068 Retiro dos Zeladores 069 Retiro dos Zeladores 070 Retiro dos Zeladores 071 Retiro dos Zeladores 072 Retiro dos Zeladores 073 Retiro dos Zeladores 074 Retiro dos Zeladores 075 Retiro dos Zeladores 076 Retiro dos Zeladores 077 Retiro dos Zeladores 078 Retiro dos Zeladores 079 Retiro dos Zeladores 080 Retiro dos Zeladores 081 Retiro dos Zeladores 082 Retiro dos Zeladores 083 Retiro dos Zeladores 085 Retiro dos Zeladores 086 Retiro dos Zeladores 087 Retiro dos Zeladores 088 Retiro dos Zeladores 089 Retiro dos Zeladores 091 Retiro dos Zeladores 092 Retiro dos Zeladores 095 Retiro dos Zeladores 096 Retiro dos Zeladores 097 Retiro dos Zeladores 098 Retiro dos Zeladores 099 Retiro dos Zeladores 100 Retiro dos Zeladores 101 Retiro dos Zeladores 102 Retiro dos Zeladores 103 Retiro dos Zeladores 104 Retiro dos Zeladores 105 Retiro dos Zeladores 106 Retiro dos Zeladores 107 Retiro dos Zeladores 108 Retiro dos Zeladores 109 Retiro dos Zeladores 110 Retiro dos Zeladores 111 Retiro dos Zeladores 112 Retiro dos Zeladores 113 Retiro dos Zeladores 114

Um pouco de história II parte

A mãe de Pedro Julião Eymard, Maria Madalena Pérlose, era muito piedosa; não deixava passar um dia sem ir ajoelhar-se ao menos por alguns minutos, na Igreja.

Certo dia, no momento de partir, vê seu pequenino Julião, ainda em faixas, que lhe parece estender os braços. A mamãe acomoda o filhinho nas dobras de seu avental e uma vez na Igreja, toma-o nas mãos, apresentando-o, ao soar a campainha, e entre os transportes de seu coração materno, à bênção traçada pelo Ostensório. Maria Madalena, de então em diante, fará sempre assim, quando for dada a bênção para os agonizantes, pois o pequeno, mantendo-se quieto, não perturba o recolhimento. Disse alguém que a educação de uma criança começa aos quatro meses: assim aconteceu com a educação eucarística de Julião Eymard.

Quando já um pouco crescido e sabendo andar sozinho, sua felicidade será acompanhar sua mamãe à Igreja. Segundo a declaração de uma testemunha, jamais ele dizia: “Vamos embora”. Jamais também a mamãe viu-se obrigada a deixar a Missa ou a bênção por causa do filhinho.

Desde pequenino teve ele o sentimento da presença real. Com seis anos apenas, acompanhava com um profundo olhar sua mamãe e sua Irmã, quando estas se aproximavam da Santa Mesa. Certa manhã, ao votar da Igreja, Mariana tomando Julião sobre os joelhos, o irmãozinho recostou-se afetuosamente sobre ela, dizendo-lhe: “Oh! tens um cheiro de Jesus !”

Por volta dos sete anos, mais de uma vez o pequeno Eymard saiu de casa, ausentando-se por alguns minutos, sem ousar dizer onde ia. Seus pais, entretanto, não o repreendiam: sabiam que ele ia à Igreja. Um dia, porém, inquietaram-se, porque Julião tardava a chegar. Annette Bernard, sua irmã de leite, foi mandada à Igreja, procurá-lo. Mas, na penumbra da nave, Julião não estava. Onde teria ele se escondido para rezar? Teria tido a audácia de penetrar no coro? Ajoelhada na Mesa da comunhão, Annette inspeciona as “stalles”. Julião não está. Vencendo sua timidez, a menina vai olhar até mesmo atrás do altar. Que descobre ela? O pequeno, de joelhos, na escada que serve ao Sacerdote para expor o Ssmo. Sacramento. Com a cabeça apoiada no Tabernáculo, Julião permanece imóvel.

Há quanto tempo te procuramos!… exclama Annette. Que fazes tu aí?

– Ora minha oração!

– E porque a fazes tu no alto da escada? Em que pensas tu?

E Julião responde, mostrando, com um gesto, o Tabernáculo onde Jesus repousa: “N’Ele… aí, o escuto e O entendo melhor.”

Não é de estranhar, portanto, que em suas notas íntimas, ao enumerar mais tarde as graças recebidas no decorrer da vida, escreva ele: “Graça da comunhão. O sonho de meus oito anos: tudo para ela.”Igreja II

Julião fazia parte dos meninos do coro; chegou mesmo a ser cerimoniário. O costume exigia, em La Mure, do que estava escalado para acolitar a Missa, que, durante o quarto de hora que precedia, percorresse as ruas, chamando os fiéis com o toque de uma campainha. Era um oficio muito caro a todos os coristas, que mesmo o disputavam. Julião, se fosse possível, desempenhá-lo-ia diariamente. Em todo caso, lançara mão de um estratagema, a fim de poder anunciara a Missa com mais frequência do que lhe permitia o turno dos coristas: passando à tarde pela Igreja, muitas vezes cedia à tentação de tomar a campainha e levá-la para casa; prevenia assim toda concorrência.

Mas, será que Julião não tinha defeitos? Sua fronte larga e boleada denotava teimosia. Em seus olhos vivos, perpassavam relâmpagos, não raro; verdade é, porém, que as doces reprimendas da mamãe desfaziam esses ímpetos passageiros. Julião era também curioso e perscrutador; apesar das proibições expressas, era surpreendido explorando armários e cartazes. Repreendido severamente certa vez, prometeu corrigir-se e cumpriu sua palavra.”

A adoração “em espírito e em verdade”

O Mestre“O Pai procura adoradores em espírito e em verdade” (Jo 4,23)

A adoração eucarística tem por objeto a Pessoa Divina de Nosso Senhor Jesus Cristo, presente no Santíssimo Sacramento, que aí está vivo, desejando ouvir-nos falar-lhe e falar-nos também.
Todos podem falar a Nosso Senhor. Não está Ele aí para todos? E não nos diz Ele: “Vinde todos a mim”? E esse colóquio entre a alma e Nosso Senhor é a verdadeira meditação eucarística, é a adoração. (…)
Considerai a hora de adoração que vos cabe como uma hora celestial; ide a ela como iríeis ao Céu, ou ao banquete divino, e então será desejada e acolhida com alegria. E que vosso coração suspire suavemente por ela, dizendo: “Daqui quatro horas, a duas horas, a uma hora apresentar-me-ei à audiência de graça e de Amor de Nosso Senhor, Ele convida-me, espera-me, deseja-me.” (…)
Apresentai-vos a Nosso Senhor tal qual sois. Seja vossa meditação natural e, antes de recorrer ao livro, esgotai o fundo de piedade e de Amor que está em vós. Amai o livro inesgotável da humildade e do Amor. Acompanhe-vos – é justo – o manual de devoção para repor-vos no bom caminho quando o espírito se distrair ou os sentidos se afrouxarem. Lembrai-vos, no entanto, que o bom Mestre prefere a pobreza de nosso coração ao pensar alheio, por mais sublime que seja.
Acreditai que Nosso Senhor quer o nosso coração, e não o do próximo, e deseja que tanto o pensamento como a oração desse mesmo coração sejam a expressão natural do Amor que lhe temos. Não querer chegar-se a Nosso Senhor com a miséria que nos é própria, ou a pobreza humilhada, é muitas vezes fruto de um amor-próprio sutil, da impaciência ou do temor. E, todavia, Nosso Senhor prefere isto a tudo o mais, a isto ama e abençoa.

(Dos escritos de São Pedro Julião Eymard)

Retiro da Guarda de Honra

Caríssimos Adoradores da Guarda de Honra do Santíssimo Sacramento:

Informamos que o retiro dos

Zelados (Adoradores) previsto

para 27 de Abril foi incluído no

_retiro do dia 28 de Setembro._

O dia de retiro começa às 8h. e termina

com a Santa Missa às 17h. Convém

não deixar para depois sua inscrição,

pois as vagas são limitadas. Inscreva-se

com a Conceição no Salão da

Guarda de Honra (14h. às 16h. Nº258),

ou na Portaria (nº 258 , nos horários de

atendimento da Portaria).

e-mail: servasadperpetua@sacramentinastaubate.org.br

(fone: 3632.2863)